Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco – Trama

Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Por Ana Paula Laux

Apesar de a vingança não ser uma prática exclusiva dos humanos, não se pode negar que a humanidade tem o poder de causar sofrimento como ninguém. A vingança, certamente, já rendeu passagens sombrias e aterradoras na literatura. Ela pode, inclusive, ser confundida como uma forma de reparar um mal ou injustiça.

Não é qualquer um que enterra vivo um desafeto no meio de uma catacumba, tal como imaginou Edgar Allan Poe no arrepiante O barril de amontillado. Numa das histórias mais assustadoras do autor (publicada pela Nova Fronteira em Contos de terror, de mistério e de morte), um homem busca vingança após se sentir ofendido por um nobre. Pacientemente, ele arquiteta um plano para embebedar, emparedar e enterrar seu
caluniador, apreciando cada segundo da tortura com uma satisfação que só uma vingança
bem planejada é capaz de proporcionar.

Mas a vingança também sabe esperar, como conta Alexandre Dumas em um de seus livros mais famosos, O conde de Monte Cristo. Nele, um homem, preso injustamente, planeja uma longa e calculada retaliação contra seus inimigos, vingando-se de todos que armaram para que ele fosse encarcerado. A história foi inspirada em um caso real, o de Pierre Picaud, que viveu no século XIX na França. Dramas como este, em que um inocente busca reverter sua punição, comovem e inspiram até hoje, pois é a vingança funcionando como justiça.

Parece que a paciência é um item obrigatório nas mentes obcecadas pelo desejo de revidar. E quando a vingança envolve casos de família, não há tragédia mais anunciada do que a dramática jornada de Hamlet para vingar a morte terrível de seu pai. O príncipe dinamarquês retorna à sua terra, fareja a traição do tio, e enfrenta o destino feroz que o maior escritor inglês lhe impôs. Hamlet não vai ficar para a história apenas porque um
herói quer retomar seu trono. Não é só mais uma trama de luta pelo poder; é uma genuína história de vingança. Como os melhores vingadores, Hamlet não tem pressa.

Motivos não faltam

A inglesa Tess Stimson apostou em “casos de família que acabam em tragédia” para criar Ex/Mulher, um thriller psicológico que tem tudo a ver com vingança. Ex-jornalista e repórter na Inglaterra, Stimson é autora de doze romances, tendo seus livros traduzidos para vários idiomas. Ex/Mulher chega ao Brasil em julho pela Editora Trama, e traz na história duas mulheres unidas pelo amor e ódio a um homem cujo destino está mais do que selado. Ele será assassinado em uma festa de família, e é daí que nasce o grande enigma da trama: quem liquidou o indivíduo?

Não se pode negar que a vingança é um motivo e tanto para assassinato, por isso, as suspeitas do crime recaem sobre as duas mulheres, já que elas são encontradas junto ao corpo do (ex) marido: a esposa atual, que descobre fatos desconhecidos e não se sabe como vai lidar com seus sentimentos, e a ex-mulher que, inconformada com o fim do casamento, amargou por um bom tempo um sentimento crescente de vingança.
Humilhação, ciúme e vergonha podem servir de desculpa para os piores atos de crueldade, não é mesmo?

Casos de vingança que entraram para a história não se limitam à ficção. Na vida real, há exemplos lembrados até hoje, como a morte de Euclides da Cunha Filho, o Quidinho. Filho do célebre autor de Os sertões, ele tentou vingar a morte do pai e foi baleado pelo cadete Dilermando de Assis. Euclides “pai” tentou matar o militar em 1909 porque este estava tendo um caso com sua esposa, Ana Emília. Dilermando, porém, matou o escritor
em legítima defesa dentro da própria casa. O trágico episódio ficou conhecido como A tragédia da Piedade. Dilermando escapou da vingança e acabou matando dois da mesma família, ficando marcado para sempre.

Voltando bem mais no tempo, um jovem Júlio César também legou para a história seu célebre caso de vingança. Em 75 a.C., quando ainda era apenas um aristocrata romano conhecendo o mundo, foi sequestrado por piratas no Mar Egeu. De mediato, um resgate de 20 talentos de prata foi exigido, provocando indignação no romano pois ele acreditava valer mais do que foi pedido. A ousadia!

Para espanto dos piratas, Júlio César renegociou seu próprio resgate e exigiu que fosse estabelecida a quantia em 50 talentos de prata, mais condizente com sua posição social. Assim que o resgate foi devidamente pago, o futuro líder militar prometeu que voltaria para crucificar seus raptores, provocando gargalhadas nos piratas céticos. No entanto, foi exatamente isso que aconteceu. Passados 38 dias da libertação, o vingativo romano foi à caça dos corsários sequestradores com uma pequena força naval, encontrando-os acampados em uma ilha. Todos foram capturados e, posteriormente, crucificados sem dó. Promessa é dívida, e dívida se paga com sangue.

Vingança sangrenta

Histórias de vingança podem ter origem na vida real e acabar nos livros e telas de cinema. Dizem que esse é o caso de Joaquín Murrieta, cavaleiro mexicano que teria inspirado o clássico personagem Zorro, justiceiro criado pelo escritor norte-americano Johnston McCulley em 1919.

Caçador de ouro nas colinas da Califórnia por volta de 1850, Murrieta entrou em conflito com garimpeiros norte-americanos que também exploravam a região e retaliavam cruelmente mexicanos e quaisquer forasteiros que estivessem competindo por riquezas. As brigas culminaram na morte de sua esposa, estuprada e assassinada na frente dele, e ainda no linchamento de seu irmão. Foi o suficiente para motivar o mais profundo e perverso sentimento de vingança em Murrieta.

Sedento por retaliação, ele formou um grupo de vigilantes justiceiros e matou, um a um, os assassinos de sua família. Virou um personagem tão popular na região que sua cabeça foi colocada a prêmio, sendo morto um tempo depois. A lenda de Murrieta, dizem, teria sido uma das inspirações para McCulley imaginar Zorro, cuja história foi parar nos cinemas com muito sucesso e, até hoje, rende novas versões cinematográficas, quadrinhos, videogames e outros produtos.

Ser acusado injustamente de um crime é outra razão para buscar não só justiça mas, em muitos casos, vingança. Em A oração dos miseráveis, trama de fantasia criada por Gareth Hanrahan e lançada em junho pela Editora Trama, três ladrões são perseguidos por um crime que não cometeram. E eles certamente não vão levar essa culpa para casa.

Nesta guerra mágica, os personagens vão contar com a ajuda de seres extraordinários entre magos, deuses e monstros, percorrendo um caminho que vai levar a descobertas inesperadas. O mote da vingança é a porta de entrada para que, juntos, os três amigos descubram um mundo bem mais sombrio do que imaginavam existir. A vingança faz ferver o sangue nas veias, faz perder os sentidos e nem sempre ela traz paz para o
coração…

Enterrar pessoas vivas, crucificar, abater inimigos um a um. A vingança tem vários modos de ser e se confunde com a própria natureza. Animais podem até sentir vontade de se vingar, mas não há dúvida de que são os humanos que ganham esse campeonato. Requer ódio, mas é preciso também de uma boa dose de planejamento, perversidade e paciência. A vingança é humana, demasiado humana. Afinal de contas, não tem quem goste mais de ver um inimigo sofrer do que o homem que toma a sua sopa fria, gelada,
até a última gota encorpada de satisfação.

Comments
  1. Patrícia Bastos

    Querida Ana Paula no mundo habita uma criatura pela qual cultivo um ódio que né arrepia a nuca. Se eu tivesse a chance….😈😈😈😈😈usaria Põe como inspiração.
    Texto ótimo. Bj

  2. LANÇAMENTOS | Suspense, crime, mistério e terror em agosto

    […] Sobre o tema: Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco […]

Deixe um comentário

Categorias
Posts recentes
Arquivo

Posts relacionados

Entrevista com Angie Kim

Entrevista com Angie Kim

Conversamos com Angie Kim, autora de O julgamento de Miracle Creek, confira agora a entrevista exclusiva essa autora premiada que tem seu livro lançado em setembro/21 aqui na Trama.
Leia mais
Que tipo de Tramer você é?

Que tipo de Tramer você é?

Que tipo de TRAMER você é? Faça o teste e descubra!
Leia mais
Relacionamentos tóxicos: muito além da vida amorosa

Relacionamentos tóxicos: muito além da vida amorosa

Quando abordamos o tema “relacionamentos tóxicos”, quase sempre pensamos nos relacionamentos amorosos e na vida de casal, mas um relacionamento abusivo pode ir muito além: pode envolver a família, os amigos ou o ambiente de trabalho. O livro Ex/Mulher, lançamento de julho da Trama, é um perfeito exemplo disso. Nele, acompanhamos as duas personagens principais, Caz e Louise, que vivem em pé de guerra por conta de um homem, Andrew, o que traz a elas problemas na família e até uma rivalidade na vida profissional. Andrew é o atual marido de Caz e o ex de Louise, mas trata as duas de forma bem duvidosa. Ele acaba morrendo misteriosamente, esfaqueado em uma festa de família, o que torna as duas mulheres automaticamente suspeitas. Mas por que ele foi assassinado?
Leia mais
Entrevista com Liz Moore

Entrevista com Liz Moore

Batemos um papo com a Liz Moore, autora do livro “Longo e claro rio”, para saber de onde surgiu a ideia para a história e como está indo a adaptação do livro para televisão!
Leia mais
Entrevista com Constance Sayers

Entrevista com Constance Sayers

Batemos um papo com a Constance Sayers, autora do livro Uma bruxa no tempo. Descubra de onde veio a inspiração por trás da história e muito mais!
Leia mais
Quando a fama e o crime se encontram

Quando a fama e o crime se encontram

Como já dizia Edgar Allan Poe no seu conto O gato preto “a perversidade é um dos impulsos primitivos do coração humano”. E é notório que existe um verdadeiro fascínio das pessoas por casos de mistérios e assassinatos. Livros, séries e filmes são feitos pensando em atender essa procura natural que os humanos têm de entender esses casos e a mente das pessoas que os fazem acompanhar o desenvolvimento das descobertas e o julgamento dos criminosos. E quando essas cenas acontecem fora dos limites da ficção?
Leia mais
Diego Ribeiro indica “A oração dos miseráveis”

Diego Ribeiro indica “A oração dos miseráveis”

Diego Ribeiro do canal STALO tem uma super dica pra você de um dos recém-lançamentos da Trama. “Hoje eu quero te indicar o primeiro Epic Fantasy da Trama A oração dos miseráveis ... Preparados? Então, aí vai: Um comedor de mortos, um doente se transformando em pedra, uma jovem comissionada por deuses negros esquecidos, uma irmandade de ladrões, uma guilda de alquimistas, um caçador de recompensas, guardas meio humanos meio velas... Cansou? Tem mais...
Leia mais
Maiores Rivalidades da História

Maiores Rivalidades da História

Se as duplas Taylor Swift e Katy Perry, Android e iOS, Pepsi e Coca-Cola, biscoito e bolacha ativam alguma memória sua e causam uma súbita e incontrolável vontade de se posicionar e defender um dos dois lados, então você provavelmente presenciou alguns dos mais recentes e famosos casos de rivalidade da cultura popular dos últimos anos. Para além da indústria do entretenimento, esse confronto entre duas pessoas, duas comunidades ou duas ideologias é capaz de dividir opiniões, mover torcidas e originar fofocas das mais edificantes, sendo um tema frequente também no meio literário, presente nas mais diversas narrativas, nas relações entre personagens e, inclusive, nas experiências pessoais dos próprios escritores. Reuni, aqui, alguns dos casos mais interessantes de rivalidade na literatura.
Leia mais
Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Apesar de a vingança não ser uma prática exclusiva dos humanos, não se pode negar que a humanidade tem o poder de causar sofrimento como ninguém. A vingança, certamente, já rendeu passagens sombrias e aterradoras na literatura. Ela pode, inclusive, ser confundida como uma forma de reparar um mal ou injustiça.
Leia mais
Entrevista com a autora Tess Stimson

Entrevista com a autora Tess Stimson

Bati um papo com a Tess Stimson – autora do livro “Ex/Mulher”. Descubra de onde veio à inspiração para escrever essa história e muito mais.
Leia mais
Entrevista com o autor Gareth Hanrahan

Entrevista com o autor Gareth Hanrahan

Não houve uma única inspiração - A Oração dos Miseráveis é como que o ponto de intersecção de muitos dos meus interesses. É a zona em que a arqueologia industrial se encontra com divindades estranhas, onde a política dos bastidores se cruza com a alta fantasia. A sensação e o conceito da cidade vieram primeiro, as personagens vieram depois. Sempre tive problemas em escrever protagonistas, por isso, em Cari, criei uma personagem que é inquieta, que sempre causa problemas e que é capaz de conduzir o enredo à frente.
Leia mais
Entrevista com o autor Michael Koryta

Entrevista com o autor Michael Koryta

Batemos um papo com Michael Koryta, autor do livro “Aqueles que me desejam a morte”, sobre suas inspirações, seu processo de escrita e como foi adaptar o seu livro para o filme de mesmo nome, que chegou no cinemas em maio de 2021. Confira abaixo as respostas e descubra um pouco mais sobre o autor e sua obra.
Leia mais
Os melhores detetives da literatura

Os melhores detetives da literatura

Neste ponto da história podemos concordar com uma coisa, o ser humano adora ser desafiado. Criaturas pensantes, amam diferentes estímulos para manter o interesse e sanar sua curiosidade. No texto “Editorial” publicado aqui mesmo neste blog, o editor André Marinho disse tudo ao afirmar que “Nada é o que parece. E nada é por acaso”. Se juntarmos tudo isso com a leitura, temos então um prazer especial em acompanhar grandes detetives em suas várias aventuras. Com isso em mente, confira abaixo uma lista com alguns dos melhores detetives da literatura!
Leia mais
A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

Se você é uma daquelas pessoas que não gosta de ler e prefere esperar sair o filme, vou começar este artigo com um spoiler: A resposta para a pergunta do título é “sim”. Mas se você fosse esse tipo de pessoa, provavelmente não estaria em um site de uma editora, lendo um artigo sobre literatura e fantasia, então pegue uma caneca, seu café ou chá preferido e vamos continuar nosso papo para descobrir se essa fuga da realidade é boa ou ruim.
Leia mais
Os cinco maiores julgamentos da história

Os cinco maiores julgamentos da história

De uma forma ou de outra, a nossa civilização foi moldada por decisões dos tribunais. Os julgamentos explicam a nossa história e conhecê-los nos permite compreender melhor nosso caminho. Os julgamentos injustos jamais acabam, não têm fim. Seguem ecoando em nossas consciências. Da mesma forma, julgamentos que espelham os anseios da civilização, que visam a reparar grandes males, são, a todo tempo, renovados.
Leia mais
Assassinos que se Inspiraram em Outros Assassinos

Assassinos que se Inspiraram em Outros Assassinos

O famoso escritor irlandês Oscar Wilde disse certa vez que “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”. Já o curitibano Paulo Leminski disse que “A vida não imita a arte. Imita um programa ruim de televisão”. Quem estaria correto nessa história, deixo com vocês, mas o que é de conhecimento público é que diversos assassinos inspiraram filmes e livros de sucesso, mas o contrário também ocorreu. Mas há casos de assassinos que se tornaram ídolos – sim – ao ponto de inspirarem outros assassinos.
Leia mais
Tudo some, menos o passado desses detetives

Tudo some, menos o passado desses detetives

De qual livro da Trama estamos falando? Dos dois! Em "Onde está Daisy Mason?", conhecemos Adam Fawley, um detetive marcado por sua própria tragédia familiar, encarregado de investigar o desaparecimento de Daisy. Já em "O último sorriso na cidade partida", conhecemos Fetch Phillips, um detetive particular que bebe para esquecer sua participação em eventos decisivos na história de seu mundo.
Leia mais
A estreia de Luke Arnold no mundo literário

A estreia de Luke Arnold no mundo literário

Em seu primeiro romance Luke Arnold nos leva para uma realidade em que a magia, há seis anos, deixou de existir e Fetch Phillips parece carregar uma grande culpa em relação a este acontecimento. Sendo um ex-soldado do exército humano, em tempos sombrios Fetch acabou virando um detetive particular/faz-tudo, o que rolar para sobreviver. E é assim que ele é contratado para investigar a morte de um velho professor vampiro, que desapareceu sem deixar rastros.
Leia mais
Onde está Daisy Mason?, crime thriller com reviravoltas e um final surpreendente

Onde está Daisy Mason?, crime thriller com reviravoltas e um final surpreendente

Sequestro é um dos crimes que mais comove a sociedade. Se for de criança então. Difícil imaginar tamanha violência afligindo seres tão indefesos e vulneráveis. É por isso que Onde está Daisy Mason? (Editora Trama, 2021), thriller de crime da escritora inglesa Cara Hunter, já conquista o leitor logo no início. Sem contar o final, que é de cair o queixo.
Leia mais
Editorial – Nada é o que parece. E nada é por acaso.

Editorial – Nada é o que parece. E nada é por acaso.

Toda história se compõe em um grande tear. Fios escolhidos a dedo vão se entrelaçando, se entremeando, dão origem a um tecido imenso e valorosíssimo. Nada sobra, nada falta. Não há furos. É completo, forte, inteiro. Está pronto.
Leia mais
{"slide_show":3,"slide_scroll":1,"dots":"false","arrows":"true","autoplay":"true","autoplay_interval":2000,"speed":300,"loop":"true","design":"design-1"}
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...