A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade? – Trama

A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

Se você é uma daquelas pessoas que não gosta de ler e prefere esperar sair o filme, vou começar este artigo com um spoiler: A resposta para a pergunta do título é “sim”. Mas se você fosse esse tipo de pessoa, provavelmente não estaria em um site de uma editora, lendo um artigo sobre literatura e fantasia, então pegue uma caneca, seu café ou chá preferido e vamos continuar nosso papo para descobrir se essa fuga da realidade é boa ou ruim.

Por definição, a literatura não tem uma função definida. Cada pessoa tem uma relação muito pessoal com a leitura. E cada livro, por sua vez, proporciona uma experiência diferente para cada pessoa. Muitas vezes até experiências diversas para a mesma pessoa, dependendo das épocas em que ela releia um mesmo livro. Justamente por isso, seria muita prepotência minha dizer que a única coisa que buscamos em um livro de fantasia é escapar da nossa realidade. Por mais que isso, inevitavelmente, aconteça.

Mas por que buscamos essa fuga?

A verdade é que, para a maioria de nós, depois que formamos a nossa “bolha” de lugares e pessoas que conhecemos, o mundo se torna um lugar um pouco monótono e oferece poucas novidades e excitação no dia a dia. A todo o tempo, buscamos formas de escaparmos, mesmo que por alguns minutos, da nossa rotina, das notícias ruins que, atualmente, empilham-se, formando uma torre de desesperança, ou dos problemas pessoais que todos temos. Não é à toa que as pessoas, cada vez mais, mergulham em suas telas de TVs, celulares e computadores.

Filmes, séries, novelas e reality shows tornaram-se a principal forma de fuga da realidade hoje em dia, mas o prazer proporcionado pelas produções audiovisuais possuem um fator muito diferente dos livros: o de, nem sempre, precisarmos pensar, apenas absorver. E tudo bem, de vez em quando, nos darmos esse tempo para não pensar em nada, mas se nos entregarmos somente a isso, o que será do nosso cérebro?

A parte mais legal da literatura de entretenimento é que, além de viajarmos para novos lugares e conhecermos outras pessoas, quebrando um pouco dessa monotonia, podemos fazer isso enquanto também exercitamos, de forma prazerosa, nosso cérebro. Por meio da literatura somos capazes de conhecer, inclusive, mundos mágicos, cheios de criaturas e poderes que em nosso mundo real, mesmo com muito tempo e dinheiro sobrando, não poderíamos conhecer. De que outra forma conseguiríamos visitar, por exemplo, a distópica Sunder City, com suas criaturas decadentes, transformadas pelo fim da magia, senão nas páginas de O último sorriso na cidade partida, de Luke Arnold?

Mas o prazer de viajar para mundos fantásticos não é o único benefício dos livros de fantasia. No vídeo sobre literatura de entretenimento, que você encontra aqui no Trama TV , você pode conferir algumas das razões pelas quais essa literatura é tão importante. Uma delas é o exercício do nosso pensamento crítico e criativo, pois através dos olhos dos personagens dos livros, somos apresentados a diversos dilemas e problemas, alguns com os quais nos identificamos diretamente, outros que nos colocam para pensar: “O que eu faria no lugar deles?” Esse pensamento é extremamente importante para o fortalecimento do nosso senso crítico e de empatia, e eu não tenho como frisar mais a importância dessas noções no mundo em que vivemos hoje.

Segundo o psicólogo e romancista Keith Oatley, leitores de ficção são mais aptos a formar ideias sobre as emoções, as motivações e os pensamentos dos outros. E, por consequência, podem transferir essas experiências para a vida real. Oatley revisou um estudo sobre os benefícios da leitura para a imaginação, publicado na Trends in Cognitive Sciences , que se baseia na capacidade da ficção de simular uma espécie de mundo social que provoca compreensão e empatia no leitor. “Quando lemos ficção, nos tornamos mais aptos a compreender as pessoas e suas intenções”, explica o psicólogo.

Imagine-se na seguinte situação: no mundo real, em que você vive hoje, a Covid-19, maior vilã que estamos enfrentando neste momento, sofre uma série de mutações e começa a alterar as pessoas infectadas e a transformá-las em zumbis (admita que você pensou sobre isso no início dessa pandemia). Em pouco tempo, toda a população do mundo precisa se adaptar não só ao vírus, mas também aos zumbis, para sobreviver. Agora pare para pensar na sua rotina real, como era antes da pandemia, como está hoje, um ano depois, e como estaria daqui a um ano, neste cenário fictício de uma infestação zumbi Você continuaria morando no mesmo lugar? Buscaria ajuda entre seus amigos? Confiaria em um grupo de pessoas estranhas, mas com mais habilidades e recursos para sobreviver? Você buscaria uma forma de tentar resolver o problema da infestação ou apenas se adaptaria para sobreviver pelo máximo de tempo possível? Todos esses dilemas podem parecer completamente absurdos no mundo atual, mas muitos dos seus problemas reais requerem o mesmo tipo de pensamento crítico, análise de riscos e decisões que afetam as vidas de outras pessoas. Pode ter certeza de que a literatura já preparou você, através de dilemas fantásticos e surreais, para situações pelas quais você já passou, sem nem mesmo perceber.

Em última instância, ler para fugir da realidade tem sido também uma forte aliada na luta contra a depressão e o sentimento de definhamento causados pelo distanciamento social e pela pandemia. Enquanto não podemos voltar à normalidade para que tenhamos novas experiências e possamos conhecer novos lugares e pessoas incríveis, um livro com uma história envolvente pode amenizar um pouco os sintomas de ansiedade e desespero.

E esse exercício não precisa ser só durante a pandemia, claro. Para se ter uma ideia, desde 2013 existe uma política de saúde pública aplicada no Reino Unido chamada “biblioterapia”, que receita livros de ficção e fantasia a pacientes com doenças psiquiátricas. A iniciativa britânica, pioneira, se baseia em pesquisas recentes que avaliaram o papel dos livros de ficção no bem-estar dos pacientes. A melhor notícia é que para nós, que gostamos de ler, esse tratamento já é preventivo.

Portanto, não tenha vergonha de mergulhar de cabeça na fantasia. A leitura só proporciona benefícios para o nosso cérebro e, embora seja importante dedicar parte do nosso tempo de leitura ao aprendizado, é fundamental reservarmos também um tempinho na nossa semana para escaparmos um pouco da realidade, especialmente quando nos sentimos sufocados por ela. Não deixe de conhecer novos lugares e fazer novos amigos, sejam eles vampiros, magos, super-heróis ou criaturas místicas.

Deixe um comentário

Categorias
Posts recentes
Arquivo

Posts relacionados

Entrevista com Angie Kim

Entrevista com Angie Kim

Conversamos com Angie Kim, autora de O julgamento de Miracle Creek, confira agora a entrevista exclusiva essa autora premiada que tem seu livro lançado em setembro/21 aqui na Trama.
Leia mais
Que tipo de Tramer você é?

Que tipo de Tramer você é?

Que tipo de TRAMER você é? Faça o teste e descubra!
Leia mais
Relacionamentos tóxicos: muito além da vida amorosa

Relacionamentos tóxicos: muito além da vida amorosa

Quando abordamos o tema “relacionamentos tóxicos”, quase sempre pensamos nos relacionamentos amorosos e na vida de casal, mas um relacionamento abusivo pode ir muito além: pode envolver a família, os amigos ou o ambiente de trabalho. O livro Ex/Mulher, lançamento de julho da Trama, é um perfeito exemplo disso. Nele, acompanhamos as duas personagens principais, Caz e Louise, que vivem em pé de guerra por conta de um homem, Andrew, o que traz a elas problemas na família e até uma rivalidade na vida profissional. Andrew é o atual marido de Caz e o ex de Louise, mas trata as duas de forma bem duvidosa. Ele acaba morrendo misteriosamente, esfaqueado em uma festa de família, o que torna as duas mulheres automaticamente suspeitas. Mas por que ele foi assassinado?
Leia mais
Entrevista com Liz Moore

Entrevista com Liz Moore

Batemos um papo com a Liz Moore, autora do livro “Longo e claro rio”, para saber de onde surgiu a ideia para a história e como está indo a adaptação do livro para televisão!
Leia mais
Entrevista com Constance Sayers

Entrevista com Constance Sayers

Batemos um papo com a Constance Sayers, autora do livro Uma bruxa no tempo. Descubra de onde veio a inspiração por trás da história e muito mais!
Leia mais
Quando a fama e o crime se encontram

Quando a fama e o crime se encontram

Como já dizia Edgar Allan Poe no seu conto O gato preto “a perversidade é um dos impulsos primitivos do coração humano”. E é notório que existe um verdadeiro fascínio das pessoas por casos de mistérios e assassinatos. Livros, séries e filmes são feitos pensando em atender essa procura natural que os humanos têm de entender esses casos e a mente das pessoas que os fazem acompanhar o desenvolvimento das descobertas e o julgamento dos criminosos. E quando essas cenas acontecem fora dos limites da ficção?
Leia mais
Diego Ribeiro indica “A oração dos miseráveis”

Diego Ribeiro indica “A oração dos miseráveis”

Diego Ribeiro do canal STALO tem uma super dica pra você de um dos recém-lançamentos da Trama. “Hoje eu quero te indicar o primeiro Epic Fantasy da Trama A oração dos miseráveis ... Preparados? Então, aí vai: Um comedor de mortos, um doente se transformando em pedra, uma jovem comissionada por deuses negros esquecidos, uma irmandade de ladrões, uma guilda de alquimistas, um caçador de recompensas, guardas meio humanos meio velas... Cansou? Tem mais...
Leia mais
Maiores Rivalidades da História

Maiores Rivalidades da História

Se as duplas Taylor Swift e Katy Perry, Android e iOS, Pepsi e Coca-Cola, biscoito e bolacha ativam alguma memória sua e causam uma súbita e incontrolável vontade de se posicionar e defender um dos dois lados, então você provavelmente presenciou alguns dos mais recentes e famosos casos de rivalidade da cultura popular dos últimos anos. Para além da indústria do entretenimento, esse confronto entre duas pessoas, duas comunidades ou duas ideologias é capaz de dividir opiniões, mover torcidas e originar fofocas das mais edificantes, sendo um tema frequente também no meio literário, presente nas mais diversas narrativas, nas relações entre personagens e, inclusive, nas experiências pessoais dos próprios escritores. Reuni, aqui, alguns dos casos mais interessantes de rivalidade na literatura.
Leia mais
Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Grandes vinganças da história: o jeito cruel de dar o troco

Apesar de a vingança não ser uma prática exclusiva dos humanos, não se pode negar que a humanidade tem o poder de causar sofrimento como ninguém. A vingança, certamente, já rendeu passagens sombrias e aterradoras na literatura. Ela pode, inclusive, ser confundida como uma forma de reparar um mal ou injustiça.
Leia mais
Entrevista com a autora Tess Stimson

Entrevista com a autora Tess Stimson

Bati um papo com a Tess Stimson – autora do livro “Ex/Mulher”. Descubra de onde veio à inspiração para escrever essa história e muito mais.
Leia mais
Entrevista com o autor Gareth Hanrahan

Entrevista com o autor Gareth Hanrahan

Não houve uma única inspiração - A Oração dos Miseráveis é como que o ponto de intersecção de muitos dos meus interesses. É a zona em que a arqueologia industrial se encontra com divindades estranhas, onde a política dos bastidores se cruza com a alta fantasia. A sensação e o conceito da cidade vieram primeiro, as personagens vieram depois. Sempre tive problemas em escrever protagonistas, por isso, em Cari, criei uma personagem que é inquieta, que sempre causa problemas e que é capaz de conduzir o enredo à frente.
Leia mais
Entrevista com o autor Michael Koryta

Entrevista com o autor Michael Koryta

Batemos um papo com Michael Koryta, autor do livro “Aqueles que me desejam a morte”, sobre suas inspirações, seu processo de escrita e como foi adaptar o seu livro para o filme de mesmo nome, que chegou no cinemas em maio de 2021. Confira abaixo as respostas e descubra um pouco mais sobre o autor e sua obra.
Leia mais
Os melhores detetives da literatura

Os melhores detetives da literatura

Neste ponto da história podemos concordar com uma coisa, o ser humano adora ser desafiado. Criaturas pensantes, amam diferentes estímulos para manter o interesse e sanar sua curiosidade. No texto “Editorial” publicado aqui mesmo neste blog, o editor André Marinho disse tudo ao afirmar que “Nada é o que parece. E nada é por acaso”. Se juntarmos tudo isso com a leitura, temos então um prazer especial em acompanhar grandes detetives em suas várias aventuras. Com isso em mente, confira abaixo uma lista com alguns dos melhores detetives da literatura!
Leia mais
A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

A gente gosta de ler fantasia para escapar da realidade?

Se você é uma daquelas pessoas que não gosta de ler e prefere esperar sair o filme, vou começar este artigo com um spoiler: A resposta para a pergunta do título é “sim”. Mas se você fosse esse tipo de pessoa, provavelmente não estaria em um site de uma editora, lendo um artigo sobre literatura e fantasia, então pegue uma caneca, seu café ou chá preferido e vamos continuar nosso papo para descobrir se essa fuga da realidade é boa ou ruim.
Leia mais
Os cinco maiores julgamentos da história

Os cinco maiores julgamentos da história

De uma forma ou de outra, a nossa civilização foi moldada por decisões dos tribunais. Os julgamentos explicam a nossa história e conhecê-los nos permite compreender melhor nosso caminho. Os julgamentos injustos jamais acabam, não têm fim. Seguem ecoando em nossas consciências. Da mesma forma, julgamentos que espelham os anseios da civilização, que visam a reparar grandes males, são, a todo tempo, renovados.
Leia mais
Assassinos que se Inspiraram em Outros Assassinos

Assassinos que se Inspiraram em Outros Assassinos

O famoso escritor irlandês Oscar Wilde disse certa vez que “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”. Já o curitibano Paulo Leminski disse que “A vida não imita a arte. Imita um programa ruim de televisão”. Quem estaria correto nessa história, deixo com vocês, mas o que é de conhecimento público é que diversos assassinos inspiraram filmes e livros de sucesso, mas o contrário também ocorreu. Mas há casos de assassinos que se tornaram ídolos – sim – ao ponto de inspirarem outros assassinos.
Leia mais
Tudo some, menos o passado desses detetives

Tudo some, menos o passado desses detetives

De qual livro da Trama estamos falando? Dos dois! Em "Onde está Daisy Mason?", conhecemos Adam Fawley, um detetive marcado por sua própria tragédia familiar, encarregado de investigar o desaparecimento de Daisy. Já em "O último sorriso na cidade partida", conhecemos Fetch Phillips, um detetive particular que bebe para esquecer sua participação em eventos decisivos na história de seu mundo.
Leia mais
A estreia de Luke Arnold no mundo literário

A estreia de Luke Arnold no mundo literário

Em seu primeiro romance Luke Arnold nos leva para uma realidade em que a magia, há seis anos, deixou de existir e Fetch Phillips parece carregar uma grande culpa em relação a este acontecimento. Sendo um ex-soldado do exército humano, em tempos sombrios Fetch acabou virando um detetive particular/faz-tudo, o que rolar para sobreviver. E é assim que ele é contratado para investigar a morte de um velho professor vampiro, que desapareceu sem deixar rastros.
Leia mais
Onde está Daisy Mason?, crime thriller com reviravoltas e um final surpreendente

Onde está Daisy Mason?, crime thriller com reviravoltas e um final surpreendente

Sequestro é um dos crimes que mais comove a sociedade. Se for de criança então. Difícil imaginar tamanha violência afligindo seres tão indefesos e vulneráveis. É por isso que Onde está Daisy Mason? (Editora Trama, 2021), thriller de crime da escritora inglesa Cara Hunter, já conquista o leitor logo no início. Sem contar o final, que é de cair o queixo.
Leia mais
Editorial – Nada é o que parece. E nada é por acaso.

Editorial – Nada é o que parece. E nada é por acaso.

Toda história se compõe em um grande tear. Fios escolhidos a dedo vão se entrelaçando, se entremeando, dão origem a um tecido imenso e valorosíssimo. Nada sobra, nada falta. Não há furos. É completo, forte, inteiro. Está pronto.
Leia mais
{"slide_show":3,"slide_scroll":1,"dots":"false","arrows":"true","autoplay":"true","autoplay_interval":2000,"speed":300,"loop":"true","design":"design-1"}
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...